quarta-feira, 13 de junho de 2012

Iphan lança candidatura do Rio a Patrimônio Cultural da Humanidade

Votação acontece no próximo dia 30 em São Petesburgo, na Rússia.
Chancela da Unesco pode gerar políticas públicas integradas para turismo.

Alba Valéria Mendonça 
Do G1 RJ

Pôr do sol no Rio de Janeiro (Foto: Marcos Estrella/TV Globo)Cidade do Rio de Janeiro é candidata a Patrimônio Cultural da Humanidade (Foto: Marcos Estrella/TV Globo)
 
Em mesa redonda realizada na tarde desta terça-feira (12/06), o Instituto do Patrimônio Histórico Artístico e Cultural (Iphan) apresentou o dossiê de candidatura da cidade do Rio de Janeiro ao título de Patrimônio Cultural da Humanidade, na categoria paisagem cultural. A chancela da Unesco - que será votada em São Petesburgo, na Rússia, no próximo dia 30 - pode garantir à cidade a implementação de políticas públicas de gestão compartilhada entre os três níveis de governo (federal, estadual e municipal) para áreas de grande importância turística, como o Parque Nacional da Tijuca, o Passeio Público e a orla de Copacabana, do Leme, da Urca e de Botafogo, na Zona Sul.

Candidatura do Rio a Patrimônio Cultural da Humanidade foi lançada nesta terça (12) pelo Iphan (Foto: Alba Valéria Mendonça/G1) 
Candidatura do Rio a Patrimônio Cultural da
Humanidade foi lançada nesta terça (12) pelo
Iphan (Foto: Alba Valéria Mendonça/G1)

Na apresentação, a superintendente do Iphan no Rio, Maria Cristina Lodi, destacou a importância da cancela da Unesco e os itens que fizeram da cidade uma forte candidata ao título.

"Áreas como o Jardim Botânico e o Parque Nacional da Tijuca já são geridas separadamente. Com políticas públicas integradas e qualificadas, a cidade ganha ainda mais importância aos olhos do mundo. Isso propicia não só à cidade manter seus elementos turísticos, históricos e patrimoniais, mas também chama a atenção para políticas sociais para se manter o valor da cidade", disse a superintendente.

Há cerca de dois anos, o Rio se candidatou ao título de Sítio Urbano Misto, que acabou não sendo aceito pela Unesco. O Iphan foi orientado então a valorizar as paisagens culturais. Como lembrou a diretora do Departamento de Patrimônio Imaterialdo Iphan, Célia Corsino, "o Rio é uma cidade conhecida nacionalmente até por quem nunca esteve aqui".

Destacar as áreas de natureza que receberam alguma interferência do homem foi o caminho escolhido para basear a candidatura. Entre as paisagens que integram o dossiê estão o Pão de Açúcar, o Aterro do Flamengo, o Jardim Botânico.

"Em nenhum outro lugar a relação entre o homem e a natureza é tão expressiva como no Rio. O carioca tem verdadeiro prazer de viver na cidade. Além disso, o Rio tem uma série de obras que representam o gênio criativo do homem em comunhão com a natureza, como os jardins de Burle Marx", avaliou Cristina. "A cidade tem valores percebidos por escritores, músicos e artistas, que em suas obras projetam a ideia do que é a cidade. E é isso que a chancela da Unesco vai valorizar para as gerações futuras", completou.

Ed. São Miguel, onde moraram Bandeira e Portinari


Ed. São Miguel, na Av. Beira-Mar (Castelo). Ali moraram dois ícones da cultura brasileira: o poeta Manoel Bandeira (de 1942 a 1968) e o pintor Cândido Portinari (de 1939 a 1944). Por morar ali, Bandeira recebeu o título de 'poeta do Castelo'. 


Foto: Leo Ladeira 

 

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Parque das Ruínas - Santa Teresa




Fragmentos de azulejos que resistiram ao tempo. 
Parque das Ruínas - Santa Teresa.
Foto: Leo Ladeira


terça-feira, 29 de maio de 2012

Grife catarinense é 'dona' de Drummond por horas

Deu na Coluna Gente Boa de O Globo de hoje, 29/05/12.

Um absurdo esses abusos de produtoras de vídeo, de TV, de comerciais...

E logo na estátua de Drummond, que tem até fila para fotos!

Que fizessem a foto com a atriz num dia de semana, de preferência bem cedo!

A preferência deveria ser sempre do cidadão!




Fonte da nota: Coluna Gente Boa (O Globo): 29/05/12.

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Os segredos do Castelinho




Contar a história de uma importante construção da Zona Sul carioca, por meio de fotografias e instalações visuais. Esta é a proposta da artista Lúcia Avancini, curadora da exposição “Que segredos têm o castelo?”, que acontece a partir deste sábado, no Centro Cultural Oduvaldo Vianna Filho, o Castelinho do Flamengo.

— A nova proposta do Centro Cultural tem seu enfoque nas artes visuais. E esta mostra, além de conjugar arte e fotografia em suas múltiplas expressões, lança um olhar sobre o próprio castelo, revelando sua curiosa história — explica Lúcia.



A mostra, promovida pela Secretaria municipal de Cultura, vai apresentar os trabalhos de 20 artistas que, por meio da imagem, dão significados aos desvãos, aos rendados, aos encantos e recantos do Castelinho do Flamengo.

Os visitantes podem conferir a exposição de terça a sábado, das 10h às 20h, e aos domingos, das 10h às 18h, até 30 de novembro. O Centro Cultural Oduvaldo Vianna Filho fica na Praia do Flamengo 158 (2205-0655). E a entrada é gratuita.


Fonte: Globo Zona Sul - 15/10/09.

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Um Passeio na Urca

A Urca é um dos recantos mais aprazíveis do Rio. Sua localização é privilegiada: o bairro situa-se entre o Pão de Açúcar e a Baía de Guanabara.

Nessa pequena faixa de pouco mais um quilômetro estão exemplares de vários estilos arquitetônicos: neoclássico, neocolonial, eclético...

Um passeio pelo bairro em uma manhã de domingo, em pleno outono, pode revelar imagens incríveis.

Entre os destaques do bairro estão a Igreja de N.Srª do Brasil (construída em 1929, em estilo neocolonial), o Edifício do CPRM (construído em 1881), a antiga casa de Carmen Miranda, além dos chalés e casas.


Um Pouco de História



Até o final do século XIX, o bairro da Urca não existia, simplesmente porque as águas da Guanabara batiam diretamente nas rochas que circundam a Urca e o Pão de Açúcar. De um lado, a praia da Saudade e a praia Vermelha, de outro, a praia de Fora e o Cara de Cão com a Fortaleza de São João. Para esta o acesso era feito diretamente por mar.

Entre 1870 e 80, o comerciante português Domingos Fernandes Pinto planejou transformar o local num novo bairro, ou melhor, numa nova cidade, com os prédios obedecendo "a um novo estilo, elegante e artístico". Em 2 de março de 1895, ele assinou contrato com a Intendência Municipal para a construção de um cais, ligando a praia da Saudade, em frente ao Instituto Benjamim Constant, à Escola de Aprendizes de Artilheiros, na Fortaleza de São João.

Mas o sonho de Domingos Fernandes Pinto não se realizou. Anos depois, o Exército embargou a obra, para não prejudicar a defesa do Forte.

Em 1921 um novo personagem entra para a história da Urca: o engenheiro Oscar de Almeida Gama. Ele constitui a Sociedade Anônima Empresa da Urca, com o objetivo de dar execução aos contratos para construção de um cais, ligando a praia da Saudade à Fortaleza de São João, nos termos do contrato de 1919, entre a Prefeitura e Domingos Fernandes Pinto.



Mas é na virada da década de 30 para 40 que a Urca se torna conhecida como o bairro de "risonhos bungalows à beira-mar".


Confira fotos de um domingo na Urca:















































Fotos: Leo Ladeira e Alexandre Siqueira.

sábado, 9 de maio de 2009

Um Passeio pelo Cosme Velho e Laranjeiras


Domingo passado foi a vez de passearmos por dois bairros históricos e pitorescos do Rio: Cosme Velho e Laranjeiras.

Ali viveram personalidades como Machado de Assis, Cecília Meireles, Austregésilo de Athayde, Eliseu Visconti, Ana Amélia Carneiro de Mendonça, Marcos Carneiro de Mendonça, Roberto Rodrigues, entre muitos outros.

O passeio começou pelo alto do Cosme Velho, onde vimos o Largo do Boticário, que, infelizmente, está em péssimo estado de conservação.

Depois vimos o belo Solar dos Abacaxis, a Bica da Rainha, os antigos palacetes, a Casa Rosa (onde outrora funcionou um famoso prostíbulo) e as Casas Casadas, restauradas há pouco tempo.


Confira as fotos:


Detalhe do Solar dos Abacaxis


O belo Solar dos Abacaxis, onde moraram Ana Amélia Carneiro de Mendonça e
Marcos Carneiro de Mendonça, pais da crítica Barbara Heliodora



O Largo do Boticário


Mais uma do Solar dos Abacaxis


Detalhe das Casas Casadas de Laranjeiras


Casas Casadas de Laranjeiras


A Casa Rosa


Azulejos de araras, no Largo do Boticário


Azulejos do Largo do Boticário


Azulejos do Largo do Boticário


O piso antigo do Largo do Boticário


Uma das casas do Largo do Boticário.
Nesta viveu o irmão de Nelson Rodrigues,
Roberto Rodrigues



Largo do Boticário, no Cosme Velho


Detalhe de Casa no Largo do Boticário


O Rio Carioca cruza o Largo do Boticário



Fotos: Leo Ladeira, Alexandre Siqueira.

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Olhos de Ver... Rua do Lavradio e Lapa

Detalhes nem sempre observados pelas pessoas que transitam pelas ruas do Centro do Rio...
































Fotos: Leo Ladeira e Alexandre Siqueira.